História, Lenda, Mitologia e logia dos Orishas Yemanja e Nanã


Sua doação irá nos ajudar a manter nosso espaço Orossi em funcionamento e torná-la mais útil para você. http://br.geocities.com/toluaye

        

Yemoja

Qualidade de Iemanja

Yemowô
Iyamassê  
Iemanjá Ogunté 
Iemanjá Asèssu 
Iemanjá Saba ou Assabá

 

·         Dia: Sábado

·         Data: 02 de fevereiro

·         Metal: Prata e Prateados.

·         Pedra: Água marinha.

·         Cor: Branco, criatal, azul e rosa

·         Comida: Ebô de milho branco e camarão seco, manjar branco com leite de coco e açúcar, acaçá, peixe de água salgada, bolo de arroz e mamão.

·         Símbolo: Abebé prateado.

·         Elementos: águas doces que correm para o mar, águas do mar

·         Região da África: Egbà e Abeokunta

·         Pedras: cristal e água marinha

·         Folhas: pata-de-vaca, umbaúba, mentrasto

·         Odú que rege: Yorosun

·         Domínios: maternidade (educação), saúde mental e psicológica

·         Saudação: Erù-Iyá, Odó-Iyá

Orígem e História

No Brasil, é muito venerada, e seu culto tornou-se quase independente do CANDOMBLÉ. É representada como uma sereia de longos cabelos pretos. Rege a maternidade, é mãe dos peixes que representam fecundidade. Seu dia é sábado. Nas grandes “obrigações”, são oferecidos cabra branca, pata ou galinha branca. Gosta muito de flores e é costume oferecer-lhe de quatro a sete rosas brancas abertas, que são jogadas ao mar para agradecimento. Sua cor é o branco com azul. Usa um ADÉ com franjas de miçangas que esconde o rosto. Leva na mão o BÉBÊ — leque ritual de metal prateado de forma circular, com uma sereia recortada no centro.

YEMANJÁ, por presidir a formação da individualidade, que como sabemos está na cabeça, está presente em todos os rituais, especialmente o BORI.

È a rainha de todas as águas do mundo, seja dos rios, seja as do mar. Seu nome deriva da expressão YéYé Omó Ejá, que significa, mãe cujo filhos são peixes. Na África era cultuada pelos egbá, nação Iorubá da região de Ifé e Ibadan onde se encontra o rio Yemojá. Esse povo se tranferiu para a região de Abeokutá, levando consigo os objetos sagrados da deusa, e foram depositados no rio Ogum, o qual, diga-se de passagem, não tem nada a ver com o Orixá Ogum, apesar de no Brasil Yemojá ser cultuada nas águas salgadas, sua orígem é de um rio que corre para o mar. Inclusive, todas as suas saudações, orikís e cantigas remetem a essa orígem, Odó Iyà por exemplo, significa mãe do rio, já a saudação Erù Iyà faz alusão às espumas formadas do encontro das águas do rio com as águas do mar, sendo esse um dos locais de culto a Yemonjá.

Yemonjá é a mãe de todos os filhos, mãe de todo mundo; É ela quem sustenta a humanidade e, por isso, os órgão que a relacionam à maternidde, ou seja, sua vulva e seus seios chorosos, são sagrados.

Yemonjá que se estende na amplidão,
Aiyabá que vive na água funda,
Faz amata virar estrda,
Bebe cachaça na cabaça,
Permanece plena em presença do rei.

Yemonjá se vira quando vem a ventania,
Gira e rodopia em volta da vila.
Yemonjá descontente destrói pontes.
Come na casa, come no rio…

Mar, dono do mundo,
Que sra qualquer pessoa.
Velha dona do mar.
Fêmea flauta, acorda em acordes na csa do rei,
Descansa qualquer um em qualquer terra.
Cá na terra, cala-à flor-dàgua, fala…

Yemonjá é o espelho do mundo, que reflete todas as diferenças, pois a ãe é sempre um espelho para o filho, um exemplo de conduta. Ela é a mãe que orienta, que mostra os caminhos, que educa, e sabe, sobre tudo, explorar as potencialidades que estão dentro de cada um, como fez com os guerreiros de Olofin, mostrando o quanto eram bons em seus ofícios, mas dizendo, ao mesmo tempo, que a guerra maior é a que travamos contra nós mesmos.

Yemonjá foi violentada por seu próprio filho, Orugan; Dessa relação incestuosa nasceram diversos Orixás e deus seios rasgados jorraram todos os rios do mundo. Yemonjá acabou se desmanchando em suas próprias lágrimase trasformando-se num rio que correu em direção ao oceano. Por tanto não é por acaso que as lágrimas e o mar tem o mesmo sabor.

Dissimulada, e aridlosa, Yemonjá faz uso da chantagem afetiva para manter os filhos sempre perto de sí.vÉ conciderada a mãe da maioría dos Orixás de Orígem Iorubá. É o tipo de mãe que quer os filhos sempre por perto, que tem uma palavra de carinho, um conselho, um alívio psicológico. Quando os perde é capaz de desequilibrar-se completamente.

Yemonjá é a mãe que não faz distinção dos seus filhos, sejam como forem, tenham ou não saído de seu ventre. Quando humildemente criou, com todo amor e carinho, aquele menino cheio de chagas, fez irromper um grande guerreiro. Yemonjá criou Omulu, o filho de senhor, o rei da terra, o próprio SOL.

Sua doação irá nos ajudar a manter nosso espaço Orossi em funcionamento e torná-la mais útil para você. http://br.geocities.com/toluaye

Nàná Burukù

Qualidade de Nanã

  • Igbayin
  • Buruku
  • Igbónán
  • Asayio
  • Asanan
  • Insele
  • Tinoloko
  • Ajaosi
  • Ìkure

Aspectos Gerais

·         Dia: sábado

·         Data: 26 de Junho

·         Metal: Latão

·         Cores: Branco e azul (preto ou roxo)

·         Comidas: Aberém, mugunzá, mostarda e taioba

·         Símbolos: Ibiri e bradjá

·         Elementos: Águas paradas e lamacentas

·         Região da África: Ex-Daomé

·         Pedra: Ametista

·         Folhas: Folha-da-costa, folha de mostarda, manacá, ojú oro, oxibatá, papoula roxa, quarana

·         Odu que Rege: Odilobá

·         Domínios: Vida e morte, saúde e maternidade

·         Saudação: Salúba!

 

Origem e História

Nanã, a deusa dos mistérios, é uma divindade de origem simultânea à criação do mundo, pois quando Odudua separou a água parada, que já existia, e liberou do “saco da criação” a terra, no ponto de contato desses dois elementos formou-se a lama dos pântanos, local onde se encontram os maiores fundamentos de Nana. Senhora de muitos búzios, Nana sintetiza em si morte, fecundidade e riqueza. Seu nome designa pessoas idosas e respeitáveis e, para os povos jeje, da região do antigo Daomé, significa “mãe”. Nessa região, onde hoje se encontra a República do Benin, Nana é muitas vezes considerada a dinvidade suprema e talvez por essa razão seja freqüentemente descrita como um orixá masculino.

Em algumas regiões da África, Nana é conhecida como Inie e sua autoridade é ressaltada em um belo Oriki:

Para o alto não podemos subir,
Do alto escorregamos.
De volta pra casa,
Não falar (do que viu).
Vamos celebrar a festa do ano.
O proprietário da casa esta em casa,
O estranho pede caminho,
Se Inie me dá, eu tomo.
Se Inie recusa, eu não peço.

Sendo a mais antiga das divindades das águas, ela representa a memória ancestral de nosso povo: é a mãe antiga (Iyá Agbà) por excelência. É mãe dos orixás Iroko, Obaluaiê e Oxumaré, mas por ser a deusa mais velha do candomblé é respeitada como mãe por todos os outros orixás.

A vida está cercada de mistérios que ao longo da História atormentam o ser humano. Porém, quando ainda na Pré-História, o homem se viu diante do mistério da morte, em seu âmago irrompeu um sentimento ambíguo. Os mitos aliviavam essa dor e a razão apontava para aquilo que era certo em seu destino.

A morte faz surgir no homem os primeiros sentimentos religiosos, e nesse momento Nana se faz compreender, pois nos primórdios da História os mortos eram enterrados em posição fetal, remetendo a uma idéia de nascimento ou renascimento. O homem primitivo entendeu que a morte e a vida caminham juntas, entendeu os mistérios de Nana.

Nana é o princípio, o meio e o fim; o nascimento, a vida e a morte.

Ela é a origem e o poder. Entender Nana e entender o destino, a vida e a trajetória do homem sobre a terra, pois Nana é a História. Nana é água parada, água da vida e da morte.

Nana é o começo porque Nanã é o barro e o barro é a vida. Nana é a dona do axé por ser o orixá que dá a vida e a sobrevivência, a senhora dos ibás (que deveriam ser de barro) que permite o nascimento dos deuses (no barro dos ibás) e dos homens.

Nana pode ser a lembrança angustiante da morte na vida do ser humano, mas apenas para aqueles que encaram esse final como algo negativo, como um fardo extremamente pesado que todo ser carrega desde o seu nascimento. Na verdade, apenas as pessoas que têm o coração repleto de maldade e dedicam a vida a prejudicar o próximo preocupam-se com isso. Aqueles que praticam boas ações vivem preocupados com o seu próprio bem, com sua elevação espiritual, e desejam ao próximo o mesmo que pra si, só esperam da vida dias cada vez melhores e têm a morte como algo natural e inevitável. A sua certeza é a imortalidade de sua essência.

Nana, a mãe maior, é a luz que nos guia, nosso cotidiano. Conhecer a própria vida e o próprio destino é conhecer Nana, pois os fundamentos dos orixás e do Candomblé estão ligados à vida. A nossa vida é o nosso orixá.

Nana Buruku foi a primeira esposa de Oxalá, mas perdeu o seu grande amor para Iemanjá.

Muito sábia Nana era considerada por todos a guardiã da justiça. Era de fato juíza, as pessoas, especialmente as mulheres, costumavam queixar-se a ela, que fazia os julgamentos e aplicava os castigos. A coruja, animal que representa a sabedoria, pertence a Nana.

O que surpreendia nas sentenças de Nana é que ela só castigava os homens. Havia um jardim criado por ela especialmente para abrigar os eguns —era o país da morte. Os maridos faltosos eram amarrados em uma das árvores. Nana convocava os eguns para assustá-los e, quando o pavor era insuportável, eles eram soltos.

Não é verdade que Nana não vira na cabeça de homem, aliás, Nana também representa a figura masculina, pois o homem, através do esperma, líquido que é símbolo de Oxalá, semeia o óvulo e gera uma nova vida. Nana é a morte que reside no âmago da vida, que possibilita o renascimento. A vida e tudo que a representa o esperma (homem) e o sangue  (ovulo feminino) não são considerados tabus para Nanã como se divulga.

É na morte, condição para o renascimento e para a fecundidade, que se encontram os mistérios de Nana. Respeitada e temida, Nana, deusa das chuvas, da lama, da terra, juíza que castiga os humanos faltosos, é a morte na essência da vida.

070071072076077078086087088095

Sua doação irá nos ajudar a manter nosso espaço Orossi em funcionamento e torná-la mais útil para você. http://br.geocities.com/toluaye

 

About these ads
Esse post foi publicado em Orixa. Bookmark o link permanente.

30 respostas para História, Lenda, Mitologia e logia dos Orishas Yemanja e Nanã

  1. douglas disse:

    muito lindo tudo bem feito

  2. ♥Ângela disse:

    meu nome,é Ângela sou filha de iemanja,amei tudo parabens,gostaria q entrassem em contato comigo para q posso saber mais sobre a minha mãezinha ♥♥♥

  3. marina disse:

    acheii muitoo legal a historia!!!muitoo linda as fotos…parabens

  4. karolzinha disse:

    ameii tudoo só naum entendii muitõ beeiim pQ falaa muiito em Camdomblee e eu sou da umbanda maaiis sem dicriminaçoesamo muiito tudo issoo <3sou fiilha de yemaja

  5. carla viviane disse:

    ameiii essa materia… sou da umbandae amo muita minha religiaosou filha de iemanja…e achei as fotos lindasas roupas dos orixas eos paramentos…tudo lindo..parabens…

  6. mary disse:

    ameiii a historia de YEMONJA mt linda amooo mt minha maee

  7. Roberta disse:

    Salúba minha Mãe Nanã

  8. Thyrssa disse:

    amei a historia da yemonja

  9. mykael disse:

    salve a iemanjá, ERÚ-IYÁ, ODO-IYÁ….

  10. jeff disse:

    muito interessante sua historia, eu acredito nela porq tive provas de sua divindade…

  11. stephanie disse:

    amo muito iemanja sou catolica mais sou devota dela!!!!!!
    ela é do umbanda????

  12. Adriana Andrade Sales disse:

    ADOREI, ACREDITO QUE TENHO MUITO DA MINHA MAE YEMANJA SALVE SALVE

  13. elisangela souza disse:

    me chamo elisangela sou filha de yemonja gostei muito de suas explicaçoe parabens e ase

  14. iristania disse:

    meu nome é iristania sou filha de yemonja eu adorei as fotos ta muito linda<3

  15. kleber disse:

    kleber sou um adimirador de iemanja adorei tudo que vi odoiá

  16. Maria Padilha disse:

    Adorei a historia sou fa dela

  17. bianca disse:

    adorei permanessa sempre a sim

  18. SOL disse:

    Ola, sou do CANDOMBLÉ filha de saba e lufan, adorei o video, as fotos estão lindissima. Parabéns e muito axé a todos…

  19. Te amo Minha Mae Nanã Vooc E Tudo Para Mim Te Adoro De mais

  20. guilherme disse:

    gostei muito sou muito ligado em umbanda candomblé adoro muito a Iemanjá a mãe de todos é a deusa do mar

  21. vanessa disse:

    ja me falaram que sou filha dea yemanja,não tenho certeza gostaria de ter essa certeza . e sempre fui curiosa pra saber sua historia .bju

  22. Arthur Nery disse:

    Muito Lindo!! Gostei Muito!!

  23. michele disse:

    adorei tudo sou filha dela yemanja…

  24. Edilson de oxumare disse:

    Adorei a historia de nana e yemanja sou filho de oxumare sou filho santo iniciado gostaria de ler historia do meu pai

  25. amanda disse:

    ameeei eu tambem sou filha de iemonja,e adorei a historia da minha mae!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! salve a rainha do mar “ODOYA”

  26. LEIDIANE disse:

    EU AMO MUITO YEMANJA ELA É A MINHA VIDA. TODO DIA EU AGRADEÇO POR TER SIDO ESCOLHIDA POR ELA.

  27. maria disse:

    adorei a materia sou catolica mais sou devota de iemanja alguns ja mim diseram que sou filha dela ñ sei mais se eu for só tenho a gradece

  28. Fabiana Rangel disse:

    Espaço lindo e riquíssimo roupas bonitas bem caprichado adorei estão de parabéns!!!!!

  29. sonia gomes disse:

    nao sei como mas adororei a historia e sei e sito q alguma coisa me leva a quere sabe mas barabéns

  30. Dhannyele disse:

    Salúba minha mãe nanã a senhora é tudo na minha vida te amo muito mãe.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s